Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

Liga Acadêmica de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade de Caxias do Sul

Curso de Medicina | Mastologia , Obstetrícia e Ginecologia , Reprodução Humana, Saúde Sexual
UCS (Caxias do Sul-RS)
voltar

Profa. Mona L. Dall'Agno

Médica | Especialização em Obstetrícia e Ginecologia 
CRM-37045

Acad. Alexandra Bordignon Flores

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
28029 visualizações - 06/08/2020
5 minutos de Leitura

A eficácia da pílula anticoncepcional depende do seu uso correto! Você sabe como ela deve ser utilizada?

Posição da Imagem:

Os anticoncepcionais hormonais orais combinados (ACOs), popularmente conhecidos como pílulas anticoncepcionais, estão entre os métodos contraceptivos mais populares entre as mulheres brasileiras e são considerados métodos eficazes para prevenção da gestação. No entanto, o uso incorreto da medicação pode diminuir essa eficácia e é a principal causa de gestação indesejada com o uso de ACO.

Como funcionam? Os ACOs são chamados “combinados” por serem compostos por dois tipos de hormônios - estrogênios e progestagênios - e atuam bloqueando a ovulação.

O progestagênio garante a eficácia do método ao inibir a liberação do óvulo enquanto o estrogênio age inibindo o desenvolvimento dos folículos (estrutura que contém o óvulo). Além disso, o progestagênio torna o muco cervical mais espesso, dificultando a ascensão dos espermatozoides ao útero, modifica o endométrio (camada interna do útero), reduzindo a probabilidade de implantação de um embrião e diminui a movimentação das tubas uterinas, prejudicando o transporte do óvulo. O estrogênio ainda potencializa a ação do progestagênio e é responsável pelo controle do ciclo, evitando o sangramento irregular.

Se a concentração dos dois hormônios for a mesma em todos os comprimidos da cartela, eles são classificados como monofásicos, existem ainda os bifásicos com duas concentrações e os trifásicos com três concentrações hormonais. O uso desses ACOs é feito da mesma maneira, independentemente de sua classificação.

Como utilizar os ACOs? A administração é feita através de comprimidos que devem ser ingeridos diariamente sempre no mesmo horário do dia. A ordem dos comprimidos deve ser respeitada.

Como iniciar o uso? O início do uso deve ser individualizado e orientado por médico capacitado. Leva-se em consideração características do ciclo menstrual de cada mulher, a necessidade de anticoncepção imediata ou não, além da suspeita ou não de gravidez.

Uma opção, é aguardar o primeiro dia do próximo ciclo menstrual (primeiro dia da menstruação) para iniciar o uso, ingerindo o primeiro comprimido da cartela. Ao iniciar, a contracepção está garantida.

Outro método para início do uso da pílula é o chamado "quick start". Esta opção prevê iniciar o ACO a qualquer momento, independentemente da fase do ciclo menstrual da usuária. O “quick start” só é possível após descartamos a possibilidade de gravidez, além de ser necessário utilizar um método contraceptivo adicional (por exemplo, preservativo) durante os primeiros 7 dias de uso da pílula.

Na troca de contraceptivo hormonal oral, deve-se iniciar a nova cartela no dia subsequente ao dia de término da cartela anterior, sem fazer a pausa.

Como fazer a pausa? A chamada pausa do anticoncepcional é o intervalo entre o fim de uma cartela de comprimidos e o início de uma nova.

Cada cartela de ACO, simula um ciclo menstrual com duração de 28 dias, sendo que as cartelas possuem número variável de comprimidos (21, 24 ou 28 comprimidos). O número de comprimidos depende do tipo e da dosagem hormonal, e também definirá o regime a ser realizado. Cartelas com 21 comprimidos, exigem um período de pausa de 7 dias (regime 21/7). Cartelas com 24 comprimidos exigem um período de pausa de 4 dias (regime 24/4). Já as cartelas com 28 comprimidos, não exigem período sem comprimidos, ou seja, o seu uso é contínuo – ao terminar uma cartela, já se inicia outra (regime estendido).
Atualmente existem marcas que comercializam cartelas com número maior de comprimidos, o que também determina regime de uso estendido.

É esperado que no período da pausa ocorra sangramento como uma menstruação. O regime deve ser escolhido em conjunto com o médico ginecologista, baseado em alguns critérios clínicos, sempre levando em consideração o desejo da usuária.

É preciso utilizar outro método contraceptivo durante a pausa para evitar a gestação? Não. A interrupção momentânea da pílula faz os níveis hormonais do contraceptivo caírem e ocorre o sangramento equivalente à menstruação, contudo o tempo de pausa não é suficiente para fazer a mulher voltar a ovular e, por esse motivo, o seu efeito é mantido mesmo neste período.

É importante lembrar, que a pílula anticoncepcional protege a mulher de engravidar, entretanto para proteção contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) deve-se utilizar o preservativo (camisinha) como método adicional.

É perigoso emendar as cartelas? Não, o uso contínuo é possível e se torna um aliado em situações em que os sintomas do período menstrual sejam indesejados. Ao emendar as cartelas e tomar o ACO de forma contínua a camada interna do útero (endométrio) não se prolifera e por isso a mulher não sangra. Esse regime permite maior controle sobre o ciclo menstrual e pode ser feito pelo tempo desejado.

Por outro lado, o regime estendido aumenta a chance de sangramentos imprevisíveis (chamados de spotting ou escapes).

Os sangramentos imprevisíveis no meio da cartela são sinais de baixa eficácia da pílula? Caso o uso do ACO esteja sendo feito da maneira correta, a eficácia está mantida mesmo se houver sangramentos no meio da cartela. Nessa situação, o uso da pílula não deve ser interrompido. É recomendado que uma avaliação com o ginecologista seja realizada a fim de que ajustes sejam feitos para evitar novos sangramentos inesperados.

Lembrem! Existem diferenças entre as marcas de ACOs. As recomendações dadas pelo seu ginecologista devem sempre ser seguidas, a fim de garantir a eficácia do método!

 

Bibliografia

FREITAS, Fernando. Rotinas em Ginecologia 7 ed. Artmed, 2017

Combined estrogen-progestin oral contraceptives: Patient selection, counseling, and use UptoDate, Aug, 2020.

Palavras-chave:

  • CONTRACEPÇÃO
  • EFICÁCIA
  • PÍLULA
  • ANTICONCEPCIONAL
  • GRAVIDEZ

Qual sua avaliação para o texto acima?