Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

voltar

Dra. Gabriela Rostirolla

Médica | Especialização em Obstetrícia e Ginecologia 
CRM-40943

Acad. Gabriela Zamboni

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
42131 visualizações - 25/07/2020
3 minutos de Leitura

Alerta para o 'chip da beleza' - Implante de Gestrinona

Erroneamente chamado de chip da beleza, o implante de gestrinona é uma terapia hormonal não convencional e não aprovada pela maioria dos órgãos públicos e associações médicas mundiais. Inicialmente usado na terapia da endometriose, o hormônio foi lançado em forma de implante com o objetivo de contracepção, controle da TPM e reposição hormonal pós menopausa. Devido aos seus efeitos androgênicos (como diminuição de gordura e aumento de massa muscular), esse implante tem ganhado fama entre as mulheres que buscam melhora do desempenho físico e estético. Entretanto, as indicações inadequadas, que muitas vezes ocorrem em academias, tem sido motivo de grande preocupação médica, uma vez que as novas adeptas buscam o implante pela pela finalidade estética como uma promessa mágica de ganho de massa muscular e aumento de performance física. 

O que é Gestrinona? Quais os seus efeitos?

Gestrinona é um hormônio esteroide progestágeno sintético derivado da 19- nortestosterona que possui propriedade androgênicas, antiestrogênicas, antiprogestogênica e de inibição da liberação de gonadotrofina.

Efeitos

- Contracepção

- Interrupção da menstruação

- Aumento da libido

- Tratamento da endometriose

- Aumento de massa muscular

- Diminuição da gordura corporal

Possíveis efeitos adversos

- Aumento de oleosidade de pele

- Acne

- Aumento de pelos

- Queda de cabelo

- Aumento do colesterol

- Mudança do timbre da voz

- Aumento do clitóris

Quais são as contraindicações?

- Doenças cardíacas

- Dislipidemia

- Diabetes

- Insuficiência Renal

- Insuficiência Hepática

- Obesidade

- Gravidez e Lactantes

Por que e por quem não é aprovada?

A gestrinona foi estudada sob administração por via oral e para tratamento da endometriose, portanto, não existem estudos referentes ao seu uso parenteral, em especial, por meio de implantes. Além disso, gestrinona é um hormônio complexo o qual os mecanismo de ação e farmacocinéticas não são esclarecidos. A ausência de estudos de longa duração que mostram sua real eficácia e segurança é o principal motivo para sua desaprovação.

Somado ao pouco conhecimento sobre o hormônio, temos o fato dele ser sinteticamente manipulado sem regulamentação rigorosa e específica, pois não há aprovação de órgãos reguladores como Anvisa, FDA (americano), EMEA (europeu). O resultado disso são problemas de segurança e controle quanto a superdosagem ou subdosagem, presença de impureza , esterilidade e falta de rótulos descrevendo riscos.

Dessa maneira, o implante de gestrinona não é uma opção recomendada pela Comissão Nacional Especializada de Climatério da Febrasgo por não obedecer a padronização de medicamentos hormonais comercializados no Brasil, por não ter aprovação pela ANVISA e, ainda, por não haver publicações de dados referentes à sua eficácia e segurança na literatura científica médica.

Além da Febrasgo, outras associações médicas não aprovam o uso, como é o caso da Sociedade Internacional de Menopausa (IMS), da Sociedade Americana de Menopausa (NAMS) e da Endocrine Society (Sociedade de Endocrinologia Americana).

* Dica do especialista: César Fernandes, presidente da Febrasgo, afirma que a indicação de um implante hormonal manipulado não é algo proibido ou negativo. Contudo, diz que o ginecologista deve deixar claro para a paciente a motivação para a decisão e o motivo de não indicar métodos mais consagrados e respaldados pela literatura científica, como pílula, DIU (Dispositivo Intrauterino) e até mesmo o outro implante hormonal disponível no mercado, à base de etonogestrel.

Referências:

https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/244-uso-de-chip-hormonal-para-ficar-em-forma-preocupa-medicos

Palavras-chave:

  • gestrinona
  • implante
  • terapia hormonal
  • menopausa
  • contracepção

Qual sua avaliação para o texto acima?