Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

Dra. Adriana De Carli

Médica | Especialização em Otorrinolaringologia 
CRM-21110
Total de Leituras: 14,466
voltar

Dra. Adriana De Carli

Médica | Especialização em Otorrinolaringologia 
CRM-21110

Acad. Gabriel Michelin De Carli

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
8807 visualizações - 02/04/2020
2 minutos de Leitura

Anosmia e COVID-19

Posição da Imagem:
Anosmia. O que é e qual a sua relação com a COVID-19?

Você já ouviu falar de anosmia? Sabe o que é e quais são os fatores que geralmente a causam? Nos próximos parágrafos você entenderá melhor sobre o que estamos falando e qual sua relação com a COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Anosmia é o termo técnico para a perda absoluta do olfato, um dos cinco sentidos do corpo humano, que, juntamente com a visão, o tato, o paladar e a audição, nos ajuda a perceber o mundo que nos cerca. O olfato é determinante na nossa experiência gustativa com os alimentos, nos permite diferenciar ótimas fragrâncias de cheiros desagradáveis e até nos ajuda a identificar situações de perigo, como um incêndio ou um vazamento de gás. 

As infecções de vias aéreas superiores (como quadros gripais) são uma das principais causas de anosmia. Geralmente, quando esse é o motivo da perda do olfato, costuma normalizar espontaneamente em alguns dias. Um recente estudo chinês (Mao e cols., 2020) demonstrou que apenas 5,1% dos pacientes positivos para coronavírus apresentavam anosmia. No entanto, médicos de Daegu, na Coreia do Sul chegaram a registrar a presença de anosmia em cerca de 30% dos infectados pelo vírus e registros de Heinsberg, na Alemanha, também sugerem que a anosmia possa ser um sinal de alarme para COVID-19.

Apesar de as evidências ainda não serem tão fortes, a Academia Brasileira de Rinologia orienta que se considere a anosmia de início súbito e sem obstrução nasal como um sinal sugestivo de infecção pelo coronavírus, e que, neste cenário de pandemia, se proceda com isolamento domiciliar por 14 dias enquanto se aguarda a resolução do sintoma.

 

Ou seja: se você, de forma inesperada, de uma hora para a outra, perdeu total ou parcialmente sua capacidade de sentir cheiros, deve permanecer isolado em sua casa durante 14 dias, aguardando que seu olfato volte ao normal, o que parece acontecer espontaneamente na maioria dos casos. Também vale salientar que em caso de febre (medição na axila acima de 38,3°) ou falta de ar, o pronto-socorro mais próximo deve ser procurado.

Fonte: Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF)

Palavras-chave:

  • olfato
  • cheiro
  • anosmia
  • coronavírus
  • covid-19

Qual sua avaliação para o texto acima?