Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

Liga Acadêmica de Dermatologia da Universidade de Caxias do Sul- LAD UCS

Curso de Medicina | Dermatologia 
UCS (Caxias do Sul-RS)
voltar

Profa. Roberta Castilhos

Médica | Especialização em Dermatologia 
CRM-34812

Acad. Fabiana Rubbo de Melo

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
7752 visualizações - 27/07/2020
3 minutos de Leitura

Corticoide tópico: não é só uma pomada.

Posição da Imagem:

   Quantas vezes já nos indicaram em alguma farmácia, a vizinha nos falou ou até um médico prescreveu uma "pomadinha"de corticoide para tratar alguma picadura de inseto, e nós continuamos usando-a de forma indiscriminada? Com certeza se você soubesse que essa pomada pode causar estrias e até hiperglicemia, você não iria continuar usando-a sem uma consulta médica prévia. 

   Os glicocorticoides são produzidos pelo próprio organismo e tem a função anti-inflamatória e de imunossupressão. Sabendo disso, a indústria farmacêutica criou suas formas sintéticas. O corticoide tópico, que é aquela forma que nós passamos diretamente na pele, pode ser encontrado em várias apresentações, sendo algumas delas: pomadas, cremes, loções e etc. Cada uma possui um potencial de absorção, e isso pode variar também conforme a potência do corticoide utilizado. Essa classe medicamentosa é considerada desde o seu surgimento, há mais de 50 anos, o produto dermatológico mais frequentemente prescrito. Isso se deve ao seu alto poder de aplicação em diversas doenças, desde em placas psoríase até em eczemas das mais diversas naturezas. De fato, um medicamento que, quando bem aplicado, é importante no tratamento de muitas condições dermatológicas.

Mas então, qual o problema com essa pomada "milagrosa"?

Digamos que você está com lesões acneicas no seu rosto, e decide começar a usa-la diariamente sem uma orientação de um médico dermatologista, os problemas que você pode vir a ter são: 

- Atrofia: Durante o processo de cicatrização da pele temos três fases (inflamatória, proliferativa e maturação). O corticoide interfere na fase primeira delas, onde os macrófagos e mastócitos presentes irão ser importantes para que os fibroblastos (células que sintetizam colágeno) possam ser ativados na segunda fase. Por ter uma ação supressiva nas células proliferativas, o resultado será uma diminuição na espessura da pele, junto com aspecto áspero, brilhoso, enrugado, estrias, púrpuras e até telangiectasias, que são aqueles vasinhos aparentes.

- Telangiectasias: Há um estímulo das células endoteliais, que são encontradas nos vasos sanguíneos. Dessa forma os capilares "engrossam" e, juntamente com a atrofia da derme e epiderme, eles ficam mais aparentes, caracterizando as telangiectasias. 

- Distúrbio de Barreira: A epiderme tem a função de regular a hidratação da pele e de protege-la contra micro- organismos.  Para isso, conta com uma camada lipídica. O corticoide "atrapalha"na formação dos corpos lamelares lipídicos, que constituem esta barreira, dessa forma há uma redução na hidratação da pele e uma demora na regeneração epidérmica. 

- Hipopigmentação: há uma interferência na síntese de melanina, levando ao surgimento de áreas mais claras que no resto da pele. A cor tende a voltar depois da interrupção do uso do fármaco. 

- Outros efeitos colaterais locais: acne, estrias, rosácea esteroide, dermatite perioral, púrpura, hipertricose, estados poiquilodérmicos e raramente granuloma glúteo infantil.

- Efeitos sistêmicos: supressão do eixo hipotálamo- hipófise- adrenal, síndrome de cushing, hiperglicemia, diabetes melito, hipocalcemia. Geralmente estão associados ao uso de corticoides tópicos de alta potência. 

É importante ressaltar que esta classe medicamentosa tem diversas indicações na dermatologia e seu uso é muito benéfico no tratamento de várias condições quando bem indicado. Para isso, sempre consulte um médico dermatologista. A automedicação deve sempre ser evitada, pois nem toda lesão é tao simples quanto pode parecer ser. 

Referencias:

1. DERMATOLOGIA. RUBEM DAVID AZULAY. 6º EDIÇÃO. 2013. EDITORA GUANABARA KOOGAN.

2. TRATADO DE DERMATOLOGIA. THOMAS B. FITZPATRICK. 7ºEDIÇÃO. 2010. EDITORA REVINTER. 

Palavras-chave:

  • corticoide
  • pomada
  • tópico
  • trok
  • acne

Qual sua avaliação para o texto acima?