Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

voltar

Prof. Bruno Della Mea

Médico | Especialização em Endocrinologia e Metabologia 
CRM-28963

Acad. Vanessa Nodari Carobin

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
189 visualizações - 13/10/2019
5 minutos de Leitura

Diabetes tipo 2: tratamento e orientações

O diabetes é conhecido popularmente como o açúcar no sangue. As queixas principais da doença estão relacionadas com manifestações clínicas de aumento de sede, o paciente urina mais vezes ao dia, manifestações de comprometimento de visão episódios de cegueira-, diminuição de sensibilidade em mãos e pés além de perceber dificuldade de cicatrização quando a pessoa se corta.

Para o médico avaliar como o paciente diabético está se comportando este utiliza exames de sangue para melhor poder compreender a doença. Alguns testes aqui serão analisados:

Monitoramento da hemoglobina glicada: Este exame demonstra ao médico o acompanhamento de aproximadamente 3 meses de análise da glicemia ( açúcar no sangue) deste paciente. Um objetivo razoável da terapia pode ser um valor de hemoglobina glicada de valor menor ou igual a 7,0%. No entanto, quando nos referimos a pacientes idosos ou com mais doenças como hipertensão, problemas cardíacos a meta irá aumentar para um valor menor que 8%. Um controle mais rigoroso com valores menores que 6% serão estabelecidos para pacientes jovens, para pacientes com diabetes tipo 1 e gravidez. O valor de normalidade estabelecido para pessoas sem a doença é menor que 6,5%.

Valores de glicemia em jejum: Para o paciente já diabético almeja-se que os níveis de glicemia antes das refeições seja entre 80-130 e após refeições valores de até 160. Para pacientes que fazem exame de sangue e percebem alteração da glicemia em jejum, novos exames serão solicitados para saber se o paciente é pré-diabético, ou se apenas teve um momento de glicose alterado. A glicemia de uma pessoa sem a doença é um valor menor que 100. Na faixa de 100 até 126 caracteriza-se como pré-diabetes e valores acima de 126 pessoas diabéticas, contudo necessita-se de mais um exame para verificação e diagnóstico.

Para o Tratamento do diabetes: Uma vez diagnosticado pelo médico o pré-diabetes ou diabetes mellitus 2, o medico oriente o paciente a modificar seu estilo de vida. Muitas vezes a perda de peso, mudança de alimentação e fortalecimento da atividade física melhoram por si só os níveis de glicemia e possibilitam controle do diabetes. Contudo quando não há aderência do paciente a mudança de estilo de vida os medicamentos começam a ser utilizados.

Fase de pré-diabetes: O paciente tem nesse momento uma maior predisposição de se tornar um diabético. Mudança de estilo de vida e alimentares podem possibilitar melhora, mas caso contrário este paciente progride para diabetes.

Na fase de diabetes: O paciente já tem alterações na glicemia e começa nesse momento a se estipular uma meta de valores de glicemia em jejum e de hemoglobina glicada, individualmente para cada paciente. Uma vez a meta estabelecida, em cada nova consulta o médico irá conferir os exames laboratoriais do paciente e melhorar seu tratamento caso necessário.

Medicações disponíveis:

METFORMINA: a metformina é um dos medicamentos utilizados em pré-diabetes e no diabetes pois permite que as células do fígado e músculo se sensibilizem mais a insulina, permitindo que a glicose seja absorvida adequadamente. A metformina também é conhecida pelo nome comercial Glifage.

GLICLAZIDA/GLIMEPIRIDA: medicamento que permite maior liberação de insulina no organismo de modo independente ao consumo de açucares. Logo há possibilidade de ocorrer hipoglicemias no paciente, caso este fica longos períodos sem se alimentar ou faça atividade física extrema.

PIOGLITAZONA: medicamento que permite maior absorção de glicose nos músculos, gera dessa forma leve aumento de peso e edema periférico.

EMPAGLIFOZINA/DAPAGLIFOZINA/CANAGLIFOZINA: Permite que a glicose em excesso seja eliminada pela urina e confere proteção cardíaca e renal.

EXENATIDA/LIXESENATIDA/LIRAGLUTIDE/DULAGLUTIDA/SEMAGLUTIDA: medicamento de mais alto valor no mercado que imita o efeito de liberação de insulina de modo semelhante a como o organismo atua, de forma análoga ao hormônio GLP-1, além de inibir  a produção de glucagon.

Muitas vezes o controle de níveis de glicemia em jejum e hemoglobina glicada conseguem ser controlados com estes medicamentos orais, contudo com o avanço da doença e sua progressão algumas pessoas necessitam iniciar o uso da insulina. Quando inicia-se a reposição da insulina o paciente já não produz mais ou em níveis menores a insulina do organismo e não consegue melhorar caso não utilize as injeções.

INSULINA NPH (BRANQUINHA-LEITOSA): esta insulina imita a insulina basal do organismo ou seja é aplicada uma ou duas vezes ao dia e atua ao longo de 12-16 horas. Ela estará disponível ao longo de todo dia para o paciente. Importante ressaltar que a noite ela deve ser aplicada as 22:00 horas, para diminuir hipoglicemias na madrugada.

Existem no mercado os análogos de tal insulina que permitem o uso até de apenas 1 vez ao dia pois tem cobertura de 24 horas, como o medicamento GLARGINA.

INSULINA REGULAR (TRANSPARENTE): esta insulina é usada 30 minutos antes das grandes refeições. Esta insulina permite que o pico de glicose de uma refeição seja adequadamente degradado e incorporado ao organismo.

Existe no mercado análogos da insulina regular como ASPART, LISPRO e GLULISINA, que permitem o uso em apenas 15-10 minutos antes das refeições; assim como ultra-lentas como DEGLUDECA, GLARGINA 100U e 300.

A mudança no estilo de vida é extremamente importante e por mais que haja uso de medicamentos ou da própria insulina sempre é recomendado que o paciente faça atividade física e que cuide sua alimentação.

1. Wexler,DJ . Overview of general medical care in nonpregnant adults with diabetes mellitus: UpToDate Inc. https://www.uptodate.com (Acessado em 12 de outubro de 2019.)

2. Wexler,DJ . Initial management of blood glucose in adults with type 2 diabetes mellitus. UpToDate Inc. https://www.uptodate.com (Acessado em 12 de outubro de 2019.)

 

3. Inzucchi,S E, Lupsa, B. Clinical presentation, diagnosis, and initial evaluation of diabetes mellitus in adults. UpToDate Inc. https://www.uptodate.com (Acessado em 12 de outubro de 2019.)

Palavras-chave:

  • diabetes
  • diabetes tipo 2
  • glicemia
  • açucar
  • metformina

Qual sua avaliação para o texto acima?