Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

voltar

Prof. Vinicius Lain

Médico | Especialização em Cirurgia Vascular 
CRM-27981

Acad. Vanessa Nodari Carobin

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
49 visualizações - 07/09/2019
6 minutos de Leitura

O pé diabético e o risco relacionado às feridas

O diabetes mellitus é considerado uma das principais causas de morbimortalidade global em doenças crônicas nos adultos segundo a Federação Internacional do Diabetes e uma de suas principais complicações é a patologia do pé diabético em virtude de neuropatia periférica. Somente na América Latina, estima-se que existam 24 milhões de pacientes com DM2 e que até 2035 esse número aumente em 60%. Esta alta prevalência do DM2 está relacionada à urbanização, transição epidemiológica e nutricional, baixa frequência de atividade física, sobrepeso e obesidade além do crescimento e aumento da sobrevida da população.

Devido à incapacidade gerada e suas repercussões na qualidade de vida das pessoas que sofrem com tal doença, o pé diabético caracteriza-se como um importante problema de saúde pública, pois é a principal causa de internação e de gastos hospitalares de pacientes com diabetes mellitus.. A prevalência destas ulcerações do pé na população diabética são de 4-10%. De 10 a 15% das úlceras nos pés permanecerão ativas e 5-24% delas acabarão levando à amputação de um membro dentro de um período de 6 a 18 meses após a primeira avaliação.

Dessa forma, quando comparado aos não diabéticos, a necessidade de amputação é aproximadamente 30 a 40 vezes maior em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Essa necessidade de amputação reflete-se na taxa de mortalidade em pacientes diabéticos, com 5 milhões de mortes decorrentes ao diabetes registrado em 2015, sendo que os pacientes com úlceras acabam por consequência tendo o dobro de risco de mortalidade em relação aos não diabéticos.

Em virtude de tal complicação do pé diabético, segundo a Infectious Diseases Society of America, a infecção da úlcera pode ser classificada como leve, moderada e grave. A infecção é considerada leve quando não há comprometimento de estruturas teciduais, como músculo, tendão, osso ou articulação. A classificação moderada é atribuída quando há comprometimento dessas estruturas teciduais com risco de amputação do membro inferior. Por fim a infecção é considerada grave quando, além do comprometimento das estruturas teciduais, existe a associação de sepse generalizada às alterações hemodinâmicas e metabólicas graves, com risco de levar o paciente a óbito.

Tais amputações ocorrem, pois os problemas neuropáticos também produzem, simultaneamente, dor, queimação e ardor, diminuição da sensibilidade, fraqueza nas pernas e pés, junto a uma ausência dos reflexos do joelho e pés. Esses sintomas comprometem o paciente de estar atento à identificação precoce desses sinais que podem conduzir à perda de parte ou de todo o pé.

Em virtude dessa diminuição de sensibilidade o paciente deve ficar mais atento a calosidades nos pés que possam gerar possíveis úlceras. Ademais, deve-se orientar o uso de sapatos folgados para não haver pressão e nem mesmo menor fluxo de sangue nestes pacientes. Também deve-se cuidar o exagero de pressão/apoio em apenas um local do pé , podendo gerar inflamações e posteriormente úlceras.

Classificando a gravidade da infecção permitimos que o médico determine o tratamento adequado para o paciente, que pode ser medicamentoso (antibioticoterapia) e/ou cirúrgico. Em geral as infecções das úlceras em pés diabéticos são principalmente polimicrobianas, ou seja, há presença de mais de uma espécie de bactérias. Tal situação pode dificultar a cicatrização da úlcera devido a fatores de virulência que são secretados pelas diferentes espécies de bactérias presentes na infecção e, por conseguinte podem levar a amputação e óbito. Além disso, novas infecções também pode causar atraso na cicatrização das úlceras e piorar o prognóstico dos pacientes.

Por fim relembra-se que a educação em saúde é fundamental para redução de maiores danos e complicações relacionadas ao pé diabético. A educação para o autocuidado é a forma de prevenir e tratar complicações de doenças crônicas, pois propicia o envolvimento da pessoa em seu tratamento, produzindo maior adesão ao esquema terapêutico, minimizando complicações e incapacidades associadas aos problemas crônicos. Além disso, o paciente já demonstrando sinais de pé diabético tem de cuidar seus níveis glicêmicos para prevenir demais agravos da neuropatia periférica.

1. RAMIREZ-PERDOMO, Claudia; PERDOMO-ROMERO, Alix; RODRIGUEZ-VELEZ, María. Conhecimentos e práticas para a prevenção do pé diabético. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre , v. 40, e20180161, 2019 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472019000100408&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. Epub Feb 18, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180161.

2. CARDOSO, Natália Anício et al . Fatores de risco para mortalidade em pacientes submetidos a amputações maiores por pé diabético infectado. J. vasc. bras., Porto Alegre , v. 17, n. 4, p. 296-302, Dec. 2018 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-54492018000400296&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1677-5449.010717.

3. SOUSA, Árlen Almeida Duarte de et al . Development of a health literacy instrument related to diabetic foot. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 23, n. 3, e20180332, 2019 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452019000300210&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. Epub July 18, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0332.

4. SILVA, Juliana Marisa Teruel Silveira da et al . Fatores associados à ulceração nos pés de pessoas com diabetes mellitus residentes em área rural. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre , v. 38, n. 3, e68767, 2017 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000300411&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. Epub Apr 05, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.68767.

5. PADILHA, Ana Paula et al . MANUAL DE CUIDADOS ÀS PESSOAS COM DIABETES E PÉ DIABÉTICO: CONSTRUÇÃO POR SCOPING STUDY. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 26, n. 4, e2190017, 2017 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072017000400322&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. Epub Jan 08, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017002190017.

6. RODRIGUEZ ALONSO, Dante et al . Prevalencia moderada de pie en riesgo de ulceración en diabéticos tipo 2 según IGWDF en el contexto de la atención primaria. Horiz. Med., Lima , v. 18, n. 4, p. 9-18, oct. 2018 . Disponible en <http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1727-558X2018000400002&lng=es&nrm=iso>. accedido en 06 sept. 2019. http://dx.doi.org/10.24265/horizmed.2018.v18n4.02.

7. PACE, Ana Emilia; NUNES, Polyana Duckur; OCHOA-VIGO, Katia. O conhecimento dos familiares acerca da problemática do portador de diabetes mellitus. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 11, n. 3, p. 312-319, June 2003 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692003000300008&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Sept. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000300008.

8. OLIVEROS-LIJAP, Leila et al . Calidad de vida en pacientes con neuropatía diabética periférica: estudio transversal en Lima, Perú. Acta méd. Peru, Lima , v. 35, n. 3, p. 160-167, jul. 2018 . Disponible en <http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1728-59172018000300004&lng=es&nrm=iso>. accedido en 06 sept. 2019

Palavras-chave:

  • pé diabético
  • úlcera
  • diabetes
  • neuropatia diabética
  • pés

Qual sua avaliação para o texto acima?