Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

voltar

Profa. Lessandra Michelin

Médica | Especialização em Infectologia 
CRM-23494

Acad. Marília Bortoluz Rech

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
113 visualizações - 24/09/2019
4 minutos de Leitura

O que precisamos saber sobre vacinação infantil?

A vacinação é importante em todas as idades, porém quando se trata de crianças essa prática é indispensável. Ao nascerem, os bebês permanecem com algumas células de defesa da mãe, mas isso não permanece para sempre. Para que eles criem suas próprias células é preciso se vacinar! Além disso, é importante lembrar que as proteções imunológicas dos pequenos não são como a dos adultos: somos mais resistentes, enquanto eles, que estão em constante formação, precisam ser protegidos e, a vacinação é uma forma para isso. Assim, iniciando desde cedo essa prática, protegeremos ainda mais a futura geração!

Entretanto, essa proteção gera dúvidas em alguns pais, pois estes temem que seus filhos contraiam alguma doença ou alguma reação séria. Mas, é essencial saber que as vacinas são seguras. Os micro-organismos presentes nelas estão mortos ou enfraquecidos, sendo improvável que causem doenças graves. Vamos lembrar que elas podem ser a causa de leves efeitos adversos, como febre, vermelhidão e dor local, em raras ocasiões. Porém, seus benefícios são muito maiores do que essas consequências, por isso não há motivo de preocupação! Os riscos de vacinação são pequenos em comparação com os riscos para a saúde das doenças que elas previnem!

Além da prevenção, a vacinação oferece ao sistema imunológico da criança um desafio necessário para seu desenvolvimento, caso contrário sua vivência em parques, escolas e estabelecimentos poderá trazer impactos muito mais complicados do que um joelho ralado. Por isso, a imunização na infância é tão importante, além de ser o período de formação do sistema imune, que termina por volta dos três anos de idade, este se desenvolve em contato direto com os micro-organismos, sendo mais resistente. Sem a vacinação, o simples fato de respirar sem estar protegido já é um fator de risco, o qual pode ser ampliado na “fase oral” dos bebês, aquela em que tudo o que eles conseguem pegar com as mãos é levado à boca: a infecção é uma ameaça para a vida dos pequenos, e pode ser evitada se o calendário de vacinas for seguido.

Com a caderneta em dia, podemos diminuir o risco de doenças nas crianças e consequentemente em toda a comunidade que ela vive. Um exemplo prático é a meningite, que diminuiu em 70% com as campanhas nacionais sendo seguidas. Graças a essa realidade a incidência de enfermidades que antes eram comuns, hoje encontram-se em níveis baixos como a paralisia infantil. Porém, o que não pode acontecer é deixar de vacinar pelo fato dessas contaminações terem diminuído, pois assim a sua incidência voltará a ser alta. Dessa forma, é preciso estar atento para as doses e em quais períodos elas devem ser realizadas (Tabela 1).

Ademais, os bebês que nascem antes do tempo previsto (prematuros) também podem e devem ser vacinados, não havendo evidências de reações adversas associadas à vacina em bebês prematuros. O calendário desses pequenos é diferente dos recém-nascidos em tempo normal, assim como as pessoas que convivem ou cuidam deles devem estar vacinadas. Sendo essencial a vacina ANTI-VSR e Palivizumabe, as quais são contra de infecções de vias respiratórias, pneumonia e bronquiolite nos bebês.

Por fim, sempre que possível os pais devem preferir vacinas combinadas, além de aplicações simultâneas na mesma visita, pois assim otimiza-se o tempo, além de não esquecer da proteção da criança. Caso alguma dose seja esquecida na idade recomendada, ela deverá ser aplicada na próxima visita. E, conforme proferiu o pensador grego Sócrates: “Se alguém procura a saúde, pergunta-lhe primeiro se está disposto a evitar no futuro as causas da doença”, nesse pensamento, a vacinação infantil é imprescindível para termos saúde dos pequenos e alcançarmos uma geração mais saudável no futuro.

 

 
Posição da Imagem:
 
 
 
 
 
Tabela 1

 

 

Referências:

Ministério da Saúde – Vacinação: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/ último acesso em 11/09/2019

SBIM – Sociedade Brasileira de Imunização - Calendário de Vacinação Criança: https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-crianca.pdf último acesso em 22/09/2019

SBIM – Sociedade Brasileira de Imunização - Calendário de Vacinação Prematuro: https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-prematuro.pdf último acesso em 22/09/2019

Palavras-chave:

  • VACINAÇÃO
  • INFANTIL
  • CRIANÇA
  • IMUNIZAÇÃO

Qual sua avaliação para o texto acima?