Seja notificado de novas mensagens. Ativar notificações da área de trabalho.

Prof. Luis Bassanesi

Médico | Especialização em Psiquiatria 
CRM-15953
Total de Leituras: 10,115
voltar

Prof. Luis Bassanesi

Médico | Especialização em Psiquiatria 
CRM-15953

Acad. Laura Turella Bassanesi

Acadêmico de Medicina - UCS (Caxias do Sul-RS)
460 visualizações - 18/05/2020
4 minutos de Leitura

Saúde Mental x Quarentena

Em dezembro de 2019, iniciou-se, na cidade de Wuhan na China, um surto de infecção respiratória causada pelo betacoronavírus SARS-CoV-2. Em pouco tempo, tendo em vista a grande transmissibilidade desse novo vírus identificado, a COVID-19 atravessou fronteiras, sendo declarada como pandemia pela Organização Mundial da Saúde em janeiro de 2020

Diante desse cenário, países do mundo todo passaram a desenvolver diretrizes para tentar controlar a disseminação do vírus e defender a saúde pública por meio de intervenções de distanciamento social, colocando populações inteiras em quarentena.

A quarentena, ao mesmo tempo, que tem ajudado no combate à COVID-19, inevitavelmente acaba impactando na saúde mental da população mundial. A separação de entes queridos, a perda da liberdade do ir e vir, as incertezas sobre o status da doença, o tédio e a “infodemia” (desinformações que se espalham rapidamente por meio de plataformas de mídia social e outros meios de comunicação) podem culminar em repercussões negativas no bem estar psicológico. ²

Em um artigo recente publicado no The Lancet, foram revisados 24 estudos sobre a quarentena aplicada em diferentes países em surtos e epidemias anteriores para explorar seu provável ​​efeito na saúde mental. A maioria dos estudos revisados ​​relatou efeitos psicológicos negativos, incluindo estresse, sintomas depressivos e ansiosos, confusão, raiva e insônia. Os estressores específicos incluíram maior duração da quarentena, medo de se infectar e/ou transmitir o vírus, frustração, tédio, suprimentos insuficientes, dificuldade em obter assistência médica e medicamentos, informações inadequadas, perda financeira e estigma. Além disso, constatou-se que, em muitos casos, as consequências emocionais podem perdurar meses após o fim da quarentena.³

Na pandemia atual, o confinamento domiciliar de grandes faixas da população por períodos indefinidos, diferenças entre as ordens de permanência em casa emitidas por várias jurisdições e mensagens conflitantes do governo e das autoridades de saúde pública provavelmente intensificarão o sofrimento psíquico já previsto. 4

Nessa perspectiva, o impacto na saúde mental durante e após a quarentena é inevitável. Todavia, pode ser minimizado a partir de políticas públicas e ações individuais.

O que o governo pode fazer em prol da saúde mental durante a quarentena? ³

1- Fornecer à população o máximo de informações confiáveis possíveis garantindo que exista compreensão da doença em questão e do porquê a quarentena precisa ser uma prioridade

2- Garantir que as famílias em quarentena tenham acesso a suprimentos básicos durante esse período

3- Fornecer educação e treinamento sobre questões psicossociais aos líderes do sistema de saúde, socorristas e profissionais de saúde

4- Orientar a população sobre o que podem fazer para evitar o tédio e sobre técnicas de enfrentamento e gerenciamento de estresse por meio de publicação de cartilhas de saúde mental, aplicativos, linha telefônica ou sites

O que você pode fazer em prol da sua saúde mental durante a quarentena? 5

1- Reconhecer e acolher seus receios e medos, procurando pessoas de confiança para conversar

2- Retomar estratégias e ferramentas de cuidado que tenha usado em momentos de crise ou sofrimento e ações que trouxeram sensação de maior estabilidade emocional

3- Manter um estilo de vida saudável incluindo dieta e sono adequados, prática de exercícios físicos e contato social com amigos e entes queridos por telefone, e-mail ou redes sociais

4- Não usar cigarro, álcool ou outras drogas para lidar com suas emoções. Se você sentir necessidade, converse com um profissional da saúde

5- Buscar fontes de informações confiáveis como o site da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), do Ministério da Saúde ou de secretarias de saúde locais

6- Reduzir o tempo que você e sua família passam assistindo ou ouvindo coberturas midiáticas

**Caso as estratégias recomendadas acima não sejam suficientes para o processo de estabilização emocional, busque auxílio de um profissional da saúde.

Referências:

1-SANTOS CF. Reflections about the impact of the SARS-COV-2/COVID-19 pandemic on mental health. Braz J Psychiatry. 2020;00:000-000. http:// dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2020-0981

2-KHAN S, SIDDIQUE R, LI H, et al. Impact of coronavirus outbreak on psychological health. J Glob Health. 2020;10(1):010331. doi:10.7189/jogh.10.010331

3-BROOKS SK, et al. The psychological impact of quarantine and how to reduce it: rapid review of the evidence. The Lancet, [s.l.], v. 395, n. 10227, p. 912-920, mar. 2020. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s0140-6736(20)30460-8.

4-PFEFFERBAUM B, NORTH C. Mental Health and the Covid-19 Pandemic. The New England Journal of Medicine. Abril. 2020. 20-08017. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMp2008017#article_introduction Acesso em: 18 de maio de 2020

5-WHO. Mental health and psychosocial considerations during COVID-19 outbreak. Março de 2020. Disponível em: https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/mental-health-considerations.pdf?sfvrsn=6d3578af_2

Palavras-chave:

  • Saúde mental
  • Quarentena
  • COVID-19
  • Saúde
  • Pandemia

Qual sua avaliação para o texto acima?